Mamadeiras e chupetas: por que elas podem ser as vilãs da saúde bucal de seu filho

Embora sendo um dos primeiros itens a serem dados como presente ao anunciar a gravidez, a mamadeira e a chupeta podem se tornar grandes vilãs para a saúde do seu bebê.

Além de poder causar uma confusão de bicos, afinal os bicos artificiais são bem diferentes do seio da mãe, o uso da mamadeira e chupeta pode acarretar no surgimento de alguns problemas bucais, mesmo nos primeiros meses de vida.

Neste artigo vamos falar um pouco mais sobre as desvantagens de utilizar esses acessórios quando se trata da saúde bucal da criança. Continue a leitura!

Por que não é recomendado?

O bebê já nasce com o reflexo de sugar, por isso, quando a mãe consegue posicionar da forma correta, acontece a tão conhecida “pega”, o momento em que a boca do recém nascido envolve o mamilo e a aréola do seio.

Em uma pega correta, a língua do bebê fica na parte inferior do seio da mãe e, ao sugar, o leite começa a sair.

Já com a mamadeira, o recém nascido só precisa empurrar a língua para interromper a saída do leite, não é preciso tanto esforço para que haja a saída do alimento.

Isso pode vir a provocar a falta de interesse pelo seio da mãe e a má formação dos dentes primários do bebê. Também pode ocorrer a falta de fortalecimento do queixo do bebê, uma vez que não é preciso fazer a pega correta ao tomar leite ou suplementação na mamadeira.

A chupeta também tem forte influência na dentição cruzada e nos hábitos orais viciosos que muitas crianças podem desenvolver em seu crescimento.

Os malefícios destes itens são tão sérios que o próprio Ministério da Saúde adverte:

“A criança que mama no peito não necessita de mamadeira, bico ou chupeta. O uso de mamadeira, bico ou chupeta prejudica a amamentação e seu uso prolongado prejudica a dentição e a fala da criança”

 Os principais danos causados pelas mamadeiras e chupetas

Além dos riscos que já abordamos anteriormente, existem outras possíveis complicações bucais que surgem devido o uso das chupetas e mamadeiras. Confira:

1.   Candidíase oral

Recém nascidos que usam chupetas e mamadeiras estão altamente propensos a desenvolver a candidíase oral.

Este problema bucal, conhecido como “sapinho”, causa uma série de sinais em toda a boca do bebê, podendo se espalhar por toda a pele e em casos mais graves, no sistema respiratório.

2.   Cárie de mamadeira

Atualmente, no Brasil, mais de 11% das crianças de até 2 anos de idade possuem a cárie de mamadeira.

De acordo com dentistas especializados na saúde bucal de bebês, os resíduos de leites e suplementos (que muitas vezes têm altas taxas de açúcar) acumulados no bico da mamadeira pode ser o responsável pela transmissão da bactéria da cárie.

3.   Presença de germes e coliforme fecais

De acordo com pesquisas científicas, foi descoberto que existem vários tipos de protozoários e larvas nas chupetas.

Isso porque, além de frequentemente cair ao chão, os bebês possuem o costume de esfregá-las em diversas superfícies e depois colocar na boca.

Ações como essas podem se transformar em graves infecções, causando dor, feridas e até mesmo tumores na região bucal, podendo se espalhar para o restante do organismo.

4.   Maus hábitos bucais

De acordo com um estudo realizado por Júnia Maria Chein, Odontopediatra, cerca de 75% das crianças que usam chupeta e 62% das que tomam mamadeira possuem algum tipo de mau hábito bucal.

Estes hábitos são responsáveis por alterarem a formação saudável de toda a estrutura facial do bebê, desde o músculo da bochecha até a posição dos dentes.

Quanto maior o tempo de uso da mamadeira e da chupeta, mais danos serão causados.

Existe uma forma de reverter esse quadro e fazer com que a criança perca esse hábito.

O tratamento consiste, primeiramente, em um diagnóstico feito por um especialista, o odontopediatra.

Uma boa saída é investir em um convenio dentario. Dessa forma, você terá mais opções de atendimento e não precisará gastar a mais por isso.

Como se prevenir?

Existem cuidados essenciais para ajudar a saúde bucal de seu filho. Vamos descobrir quais são?

●     Higienização de dentes e gengiva

Esse hábito deve ser inserido na rotina da criança desde muito cedo. Mesmo que ainda os dentes não tenham nascido, é fundamental se certificar da limpeza bucal de seu filho, principalmente no momento da introdução alimentar.

●     Evite alimentos industrializados e açucarados

A imagem de um bebê todo sujo de chocolate chega a ser cativante, não é mesmo?

Contudo, essa prática é altamente perigosa para a saúde bucal da criança, podendo gerar a tão temida cárie na primeira infância.

Por isso, prefira frutas e alimentos saudáveis, afinal, esta é a fase em que você deve construir o paladar do seu filho.

●     Procure um dentista

O ideal é que a primeira visita ao dentista ocorra desde o aparecimento do primeiro dente. Isso porque este profissional possui um ótimo repertório para te ajudar à respeito de toda  e qualquer dúvida sobre a saúde bucal do seu bebê.

Não é à toa que diversos plano odonto empresarial dão a oportunidade de acrescentar seus filhos ao convênio para que eles também visitem regularmente um consultório odontológico.

A mudança começa em casa

Para finalizar, é importante ressaltar que os pais e responsáveis têm papel fundamental na saúde bucal de toda criança. Isso porque a criança tende a ter essas pessoas como referência.

Portanto, incentive e ajude o seu filho a aprender bons hábitos.

Se ele já for um pouco maior, sente e converse com ele para explicar a importância de cuidar dos dentinhos e, se preferir, visite um Odontopediatra do seu plano odontologico para que ele te ajude nesse processo.

Conteúdo produzido por Mayara Santos, redatora na empresa Ideal Odonto

Leia Também:

Quais as 5 melhores fragrâncias para bebês e crianças?

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.